Google+ Followers

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

O dia de folga
A sorte grande
A pedra do caminho
A menina pra dançar

O sentido da frase
A máscara da cara
O peso da consciência
As aspas da fala

Da colmeia, o mel
Do corpo, a roupa
Da alma, a dor
Da mulher, o véu...

Coisas que quando tiramos
(Sem tirar nem por)
É de se tirar o chapéu.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Velhos amigos
Encontraram-se por acaso
Na rua.
Sorriram-se
Abraçaram-se
Combinaram bar
Churrasco
Viagem à lua
Igualzinho um ano antes
Em outro acaso
Em outra rua.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Nada abrandava seu sofrimento
Supria suas necessidades
Até que conferiu seu suprimento
De chocolates




sábado, 24 de janeiro de 2015

Amor e café
Nos ensinam a lição
Algumas coisas têm que ser feitas
Em ponto de ebulição



sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

O passado
Só o descrevo com palavras grandes:
Super, mega, hiper,
Ultra-passado.





quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Crime no chiqueiro
Envolvendo a lavagem

de dinheiro.

Mas hábeis
São os porcos
Em construir álibis
E habeas corpus.






quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Tuas intenções podem ser boas
Ou más
Teus ditos podem ser
De guerra ou paz
E tudo será desdito
Com um mas.
Sou contra isso, mas.
Respeito isso, mas.
Depois do mas só cabe um sinal:
Ponto final.
Em frente à tua cara
O mas é a tênue chama de uma vela
Que não te escancara.

Mas te revela.




terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Todos os que eu conheci
Já chegaram com feridas prontas
Algumas ainda doloridas
Algumas já queridas
Outras, eu mesmo as pus ali
Proferindo insultos, silêncios, pragas
Desferindo lanças, carícias, socos.
Pode  conferir
Em cada alma
Em cada rosto
Há feridas prévias
Para todos os gostos.
Qual a sua pre-
ferida?






segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Também há charme
Nos desencontros
Por isso não se arme
Não se alarme
Eu apenas te busquei
Onde você não me esperava
E você me procurou
Onde não foi possível achar-me.



domingo, 18 de janeiro de 2015

Na morte tudo é pra valer
Lá finalmente seremos
Osso duro de roer



sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

É preciso conspurcar
Nossos manuais de conduta
Pôr prostitutas no altar
E santas nas casas de putas.
Tudo o que se postula
Como absoluta verdade
Não passará de impostura
E vaidade.



quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Ruídos, fluídos
Odores, sabores
Secreções e ventosidades
Viscosidades e excreções

Disseminar nossos genes
Em essência
Não é questão de higiene
Mas de urgência.


quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Vitória final
Sobre a discórdia:
É cópia fiel do original
A paródia da paródia da paródia
Asfalto molhado
Engulam a seco
Seu trânsito engarrafado