Google+ Followers

domingo, 28 de dezembro de 2014

Quis que você fosse
Sempre mais
Do que já era
E você foi
Pra nunca mais.

Já era!

sábado, 27 de dezembro de 2014

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Vão

Pelo vão da porta
Eles vão olhar
Mas será em vão.



À vida reta
Não resta
Nenhum aparar
De arestas.

A vida errante
Agora e antes
Não segue o som dos berrantes.




quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Dramática Normativa
De língua portuguesa
Deslições do dia:
Anotar  telefones
Dos verbos de ligação;
Decorar as capitais 
Dos verbos de estado
E deixá-las bem enfeitadas;
Iniciar a autópsia
De períodos decompostos;
Fazer uma análise simpática
De orações condenadas por insubordinação;
Colorir sujeitos ocultos
Do seu manuel de instruções.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Hey, meninos maus
Que aprontaram tanto
Não vai ter ceia-bola-cânticos
No natal.
Escondidinhos
Aí no canto
Deem  um aceno a Santa Claus.
Merry Krampus.




Reclamações deixo aqui
Na minha poesia.
Ali, 
Na real
Distribuo feliz natal
E peço benção pras tias.
Amar e não endurecer:
Amadurecer.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

A era a letra da abelhinha
E, a do elefante
E ia por aí afora.
Saudades do jardim de infância
Quando só as vogais
Estavam em voga.


Dezembro
Se bem me lembro
Muito distava dos olhos
E membros.

2015: breve instante
Em breve estará num passado
Distante.

O que trará de novo
O Ano Novo?
E de novo
O que trará? 

Novamentes
Novidades
De novo o velho
Aí está.





segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Precipitados

Indiferente
À nossa impotência
A imponência das nuvens
Nos subjuga.
Mas é do nosso feitio
Pensar que é por nós o estio
Ou que por nós
Cai a chuva. 



Segundo a moda
Segunda é foda

domingo, 21 de dezembro de 2014

Estranho
Tudo o que sai das entranhas.
Sangue
Porra
Merda
Ranho.
Eu vi
É real
Toda vida
É visceral.



Mosquitos 
São sempre isto
Quer seja aqui
Seja em Moscou
Ou seja em Quito


sábado, 20 de dezembro de 2014

Fazenda Macabra

A algumas cabras
Sombra, leito, capim fresco
Ao resto, os restos
Cabresto.

Mas estas já estão cabreiras.






Reforma

Tanta informação
Formou (deformou?)
Nossas mentes de barro
Que assumindo nova forma
Fundidas
Confundidas
Massa indistinta
(Não se reconhecem cor
Raça, tinta)
Agora espalham
A boa norma.

Risos e ais
Enfim normais.



Com a bombinha de asma
Lá vai ela
Toda entusiasmada.



sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Biciclessantíssima Trindade
Todo louvor a ela:
Um corpo
Uma estrada
E uma magrela.



Quando perguntaram pra Luci:
Luci, é verdade que você mente?
Luci respondeu com lucidez:
a-l-u-c-i-n-a-d-a-m-e-n-t-e





   
                                                                               V
                                                                                E
                                           I                     L
Vasto                                             N                   A
          Vento                                      F               N
                    Vendaval                    L                A
                                                   A                 V
                                                                                       A 
                                                                L
                                                                



quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Torre de Babel
Destinos e línguas se cruzam
No saguão do hotel



Um café fumegante
E poesia
Dizendo a este corpo cambaleante:
Bom dia!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

formigas
                migalhas
                                formigas
                                                 levando 
                                                                   as
                                                                           migalhas
                                                                                            formigalhas
É preciso que nos desdobremos
Para que não nos dobrem.





"O Brasil não para de crescer"
Viu na TV o sertanejo
Ao que retrucou:

Má cadê?
Qui eu num vejo!

Amigos são riqueza
São família
Sou familionário
Arroz, feijão
E ovo frito.
Mais que uma refeição:
um mito.